São diversas as opções para o entretenimento, e com a internet, o número é tão grande que torna-se inimaginável.

Até tempos atrás um produtor chegava em um estúdio de produção, formava uma equipe e “enfiava” goela abaixo o seu material na boca do espectador, depois de um tempo começou o estudo de mercado, onde por algum motivo nada normal, usaram de números estatísticos para determinar o que você, eu ou qualquer pessoa irá assistir com bom gosto, imagina no que isso deu? Em um número enorme de fracassos, muitas produções com alto custo de produção e baixíssimo retorno (alguém falou em Lanterna Verde – DC Comics & Warner Bross ? – rsrs).

Deadpool, em seu primeiro final de semana, arrecadou cerca de 135 milhões de dólares nas bilheterias americanas, batendo recordes de arrecadação para um filme com restrição de idade (o título era guardado desde 2003 com Matrix Reloaded), a maior estreia do mês de fevereiro (sim, superou 50 Tons de Cinza), e já é a 7ª maior estreia de um personagem baseado nos quadrinhos (ficou atrás dos dois Vingadores, dois últimos filmes do Cavaleiro das Trevas, de Homem de Ferro 3 e Homem-Aranha 3, e deixou para trás Capitão América: O Soldado InvernalGuardiões da GaláxiaX-Men: Dias de um Futuro Esquecido), não podemos esquecer do recorde dentro da casa onde teve a melhor estreia dos estúdios da 20th Century Fox (superando a abertura de Star Wars: A Vingança dos Sith).

Mas o que faz de Deadpool melhor que os outros, ou o que isso tem a ver com as opções dos fãs?

Ah, isso é muito simples, Deadpool existe nos cinemas graças ao esmagador apoio popular, pois em 2014, uma das cenas testes vazaram na internet, e o filme que vinha sendo rejeitado desde 2010 ganhou uma data de estreia graças ao apoio popular pós cena teste vazada. A produção, com míseros 58 milhões de dólares (considerado gorjeta pra filmes de super-heróis vindo da Marvel e DC), já rendeu 3x este valor em uma única semana, considerando somente os Estados Unidos.

Mas da para dizer que o segredo de Deadpool era estar sempre com o público?

Com certeza, afinal desde as gravações ao marketing final, Deadpool esteve sempre de “cara” com o público. Sabíamos quase que em tempo real o que estava acontecendo, o que poderia vir de novidade e o que o filme nos entregaria como resultado.

Por que então o fã é quem decide, se Deadpool parecia mais uma nova prática comercial?

Pelo simples fato, de tudo isso acontecer porque, como fãs, escolhemos apoiar Deadpool e assistir seu desastre como super-herói, e seu sucesso como comediante!

No fim das contas…

Deadpool, quebrou inúmeros tabus, mostrou que pode ser um filme com orçamento modesto, sem efeitos especiais extravagantes, sem precisar do dinheiro dos chineses, com muito apoio popular e da distribuidora com o marketing maciço (para reduzir o espaço entre produtor e espectador); ser tudo isso e arrecadar como as estrelinhas encapuzadas de Hollywood em faturamento e bilheterias.

E não se esqueça: Não deixem decidir por você, o que você pode escolher assistir, pois o sucesso de qualquer produção, boa ou ruim, depende unicamente de você por vontade, e não da sua imposição!